azar o seu, querida.*

[por uma vida menos ordinária]

Archive for junho 2007

gentileza.

with 2 comments

O tempo passou, a polêmica sobre a lei Cidade Limpa esfriou, eu formei a minha opinião a respeito e ainda se vê por aí estabelecimentos que ainda não se adequaram a lei e fachadas com “marquinha de biquíni”.

Mas eis que hoje, pelos caminhos tortos dos atrasados, cheguei ao seguinte artigo de João Wainer, publicado na Revista da Folha domingo passado, sobre o grafite, o prefeito e a tinta cinza:

Guerra do spray.
Grafiteiros acusam prefeitura de instaurar política antigrafite; governo diz que não há perseguição

[texto e fotos por João Wainer]

Depois de passar um mês na Escócia grafitando um castelo medieval construído em 1200, os irmãos Gustavo e Otávio Pandolfo, 33 -conhecidos como Osgemeos-, e Karina Arcênio Pandolfo, 30, a Nina (mulher de Otávio), desembarcaram em São Paulo no último dia 16, sábado à tarde, e sofreram um choque de realidade. A prefeitura da cidade que durante toda a vida foi para eles uma enorme tela em branco hoje pinta sistematicamente de cinza os muros públicos grafitados pelo trio.

No domingo passado, ainda sob efeito do fuso-horário, Osgemeos e Nina juntaram-se aos também grafiteiros Ise e Koyo para pintar muros da cidade como fazem desde 1987, quando deram seus primeiros passos no grafite.

Nos pilares do viaduto Antártica, na zona oeste, Osgemeos desenharam uma série de cinco bonecos. Nina fez duas meninas com os cabelos ao vento enquanto Ise e Koyo escreveram seus nomes em letras estilizadas.

Os desenhos duraram menos de 16 horas. Nem bem a tinta secou e no dia seguinte as pilastras amanheceram cobertas de um tom acinzentado.

Num intervalo de quatro meses, essa rotina se repetiu sete vezes. Os grafiteiros pintavam seus desenhos nos pilares, que em seguida eram cobertos de cinza. Camelôs e transeuntes ouvidos pela reportagem afirmam que funcionários da prefeitura fizeram o serviço de cobertura.

O secretário da coordenação das Subprefeituras de São Paulo, Andrea Matarazzo, nega a perseguição aos grafites. “Não existe nenhuma política ou iniciativa nossa para cobertura de grafites; há, sim, uma rotina de limpeza da cidade. Acontece que os grafiteiros também têm uma rotina de pintar, por isso alguns podem ter sido apagados. Mas não quer dizer que foi a prefeitura que cobriu o grafite do viaduto Antártica, pode ter sido a empresa que a prefeitura contrata para pintar o viaduto, por exemplo”, diz.

O grafiteiro Ise discorda. “A gente sabe que a natureza do grafite é efêmera, mas uma coisa é ser apagado naturalmente, outra é uma campanha pública antigrafite como vem claramente acontecendo”, reclama.

Outros grafiteiros engrossam o coro dos descontentes. Finok, 21, teve tantas obras apagadas recentemente que pensou em parar de pintar na rua. “A prefeitura deveria gastar esse dinheiro com coisas mais importantes como saúde e educação”, afirma. “Posso assegurar que não há direção da prefeitura para cobrir grafite, temos coisas muito mais importantes para fazer”, diz Andrea Matarazzo.

Numa reação aos muros cobertos de cinza, alguns grafiteiros começaram a escrever ao lado dos desenhos frases de protesto contra o prefeito. Em uma parede da Vila Mariana, Iaco cravou: “prefeito vagabundo”. Perto dali, um outro desenho ilustra uma manifestação com faixas onde se lia “Kassa ao Kassab”.

Um dos sócios da galeria Choque Cultural -pioneira no trabalho com artistas de rua-, Baixo Rodrigues, 41, considera “censura artística” a ação da prefeitura e acredita que o governo municipal não tem noção do valor artístico nem monetário das obras que apagam.

“O valor dos artistas é dado pelo mercado, pelos museus, e os grafiteiros brasileiros são considerados no mercado internacional como alguns dos melhores do mundo. Esses grafites que estão sendo apagados são uma doação dos artistas para a cidade e têm de ser tratados como patrimônio artístico”, acredita.

O secretário Andrea Matarazzo confirma o desconhecimento: “Não sabemos o valor do grafite, e imagino que ninguém na prefeitura saiba”.

Pichação ou grafite?

O prefeito Gilberto Kassab deve sancionar em breve o projeto de lei aprovado por unanimidade na Câmara Municipal que institui um programa antipichação, cujo texto prevê que donos de imóveis com muros e paredes pichadas poderão obter recursos da prefeitura para pintar suas fachadas. O projeto, que nada tem a ver com a lei Cidade Limpa -é, inclusive, anterior a ela; data de 2005 e é de autoria de José Serra- também sugere a criação de parcerias entre o governo e empresas privadas que queiram fornecer material para cobertura de pichação.

O texto da lei, no entanto, não distingue pichação de grafite. “Não existe definição mesmo entre o que é grafite e o que é pichação no projeto de lei. Eu acredito que pichação são aqueles rabiscos ou hieróglifos. O grafite tem uma forma, um desenho e não degrada tanto o ambiente”, explica o secretário.

Enquanto a prefeitura apaga, outros contratam os mesmos artistas a peso de ouro. A escocesa Alice Boyle, filha do lorde de Glasgow Patrick Boyle, que convidou Osgemeos, Nunca e Nina para grafitar o castelo de Kelburn (www.thegraffitiproject.net), que pertence à sua família e é um dos mais antigos da Escócia, diz que qualquer cidade da Europa adoraria ter em suas paredes desenhos de artistas como eles.

“É um privilégio poder andar na rua e ver trabalhos com tanta qualidade. O povo não precisa ir às galerias para apreciar desenhos tão bonitos. Sempre ouvi falar dos grafites de São Paulo e acho que pintando-os de cinza o prefeito está impedindo uma ótima oportunidade de turismo para a cidade”, diz a escocesa.

Em fevereiro deste ano, os grafiteiros brasileiros Kboco, Speto, Titi Freak, Onesto, Boleta, Zezão, Highgraff e Fefe Talavera, ligados à galeria Choque Cultural, participaram de uma exposição coletiva na Jonathan Levine Gallery, em Nova York, dentro do projeto “Ruas de São Paulo: A Survey of Brazilian Street Art”.

Na galeria Fortes Vilaça, em São Paulo, todas as pinturas foram vendidas na exposicão da dupla Osgemeos, que durante dois meses no ano passado foi visitada por mais de 30 mil pessoas, batendo o recorde de visitação da galeria.

As palavras do secretario Andrea Matarazzo, porém, vão na contramão do mercado de arte. “Grafite que degrada o ambiente são dos da 23 de maio, por exemplo. Não combinam porque os viadutos têm uma cor, um jardim, e isso interfere na paisagem”, diz.

Crime

Apesar das dificuldades -e de o grafite ser considerado crime ambiental em São Paulo, com pena de três meses a um ano-, os grafiteiros seguem pintando nas ruas.

“Desde que começamos a Prefeitura de São Paulo sempre apoiou o grafite. Graças a essa liberdade, conseguimos desenvolver nosso estilo e pudemos viajar o mundo mostrando essa arte que foi criada nas paredes paulistanas. Por mais que nossos trabalhos estejam nas galerias, nunca vamos desistir de pintar na rua. Essa é a verdadeira essência do grafite”, dizem, em coro, os irmãos gêmeos. “Por mais que o novo prefeito apague, não vamos parar de mostrar para o povo de São Paulo nossa arte.”

Para Andrea Matarazzo, nem todo mundo aprecia esse tipo de manifestação. “Um cidadão pode não querer ter seu muro grafitado. É como alguém que não gosta de quadros em casa.”

Guilherme Aranha, 30, coordenador da juventude da atual gestão, acredita que São Paulo tolera mais o grafite do que outros centros urbanos. “É importante lembrar que nas grandes cidades do mundo o grafite não tem tanto espaço quanto em São Paulo. Em Madri, na Espanha, que conheço muito bem, não existe espaço para pintar na rua. Em Londres, então, eles seriam presos. Aqui, somos bem democráticos.”

Aranha afirma que a Coordenadoria da Juventude mantém um bom diálogo com os jovens que pintam na rua. “Temos conversa permanente com os grafiteiros. O Graphis já foi coordenador do projeto Galerias ao Ar Livre, que teve como última ação o grafite no túnel da Paulista, em 25 de janeiro. Outros que estão sempre conosco são Zeila, Eymard (coordenador do projeto Aprendiz), Nem e Nick.”

Questionados sobre os nomes citados pelo coordenador, os grafiteiros ouvidos pela reportagem afirmaram não conhecer nenhum deles.

grafite
17.06.07: Pilar do viaduto Antártica (antes); 19.06.07: pilar do viaduto Antártica (depois)

Tenho um gosto particular pelos grafites do Minhocão, do túnel que liga a Paulista à Dr. Arnaldo, e por vários outros espalhados por São Paulo e como apaixonada por cidades que sou acho que o assunto vale um debate: grafite é arte? Embeleza a cidade? Suja a cidade? O prefeito tem mais é que sair por aí pintando tudo mesmo? Os comentários estão abertos: opiniões por favor.

[+] fotos de Urban Art nacionais e internacionais feitas por Rafael Rubira
[+] site sobre Urban Art
[+] os gemêos
[+] graffiti.org
[+] vídeo da música Gentileza, de Marisa Monte [a música faz referência à José Datrino, personagem famoso no Rio de Janeiro. A história conta que em 1961, uns dias depois do incêndio do Circo Americano em Nitéroi, considerado uma das maiores tragédias circenses do mundo, Datrino recebeu um chamado divino e sua primeira missão foi consolar os parentes das vítimas, mudando-se para o local e transformando-o num jardim. Chamava a todos de “gentileza” e daí veio o apelido. Nos anos 80, pintou seus escritos nas pilastras do Viaduto do Caju. A obra resistiu às intempéries até o fim da década de noventa, quando começou a ser coberta por pixações e a Companhia de Limpeza Urbana cobriu tudo com cal, um ano depois da morte de Gentileza, em 1996. Em 2000, graças ao projeto Rio Com Gentileza [pra quem Marisa Monte compôs a música], os murais foram restaurados e hoje estão tombados como patrimônio da cidade.

Written by juliana alves

junho 28, 2007 at 12:24 pm

possibly, maybe, probably…pof [onomatopeia para desmaio causado por maravilhosa notícia]

with 4 comments

Written by juliana alves

junho 26, 2007 at 3:55 pm

Publicado em outras cositas mais

quarteto fantástico e o surfista prateado.

with 4 comments

Já comentei aqui uma vez sobre a minha relação com os quadrinhos; apesar de não ser uma quadrinista letrada como meu primo Igor, ou como meus amigos Gabi e Tarsis, Regis Falcão, Oswaldo Jales ou Ostiga Jr., a verdade é que não topei com uma revistinha ontem, no banheiro, por acaso. Ainda assim não me lembro de ter lido uma edição inteira do Fantastic Four: o quarteto nunca me interessou muito, conseqüentemente os seus filmes também não.

Pelo menos não até o Blogger’s Cut aparecer na minha vida com dois ingressos pra pré-estréia do segundo filme da equipe: Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado.

Pois bem, não tenho relações sentimentais com os personagens, ou com a história; não sou do tipo xiita que acha que adaptações, seja de quadrinhos ou livros, precisam ser absolutamente fiéis e uma das coisas que mais me interessa no cinema é que um filme pode ser, ou se propor a ser, o que bem quiser e entender. É claro que todos têm os seus gostos e preferências [e a idéia aqui não é entrar no mérito dessa questão] mas um filme pode ser romântico, pode ser sério, pode ser irônico, pode ser inquisidor, pode ser despretensioso, pode ser bobo, pode ser plasticamente belo, pode ser metafórico, pode ser poético, pode ser forte, pode pretender tocar as pessoas de um jeito muito particular, pode pretender alertar ou causar medo, pode pretender emocionar, fazer chorar, fazer rir, chocar, vomitar, ganhar Oscar…e pode simplesmente ser entretenimento. E nesse ponto Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado anda longe de fracassar.

O filme tem ação, tem romance, tem humor, tem muita mentira [controle a chatice, é uma ficção] tem [melo]drama, tem efeitos especiais [muito bons inclusive] e ainda por cima tem o Surfista Prateado [sabe como é, tenho uma queda por heróis sérios que não falam muito], tudo na medida e sem [muitas] afetações [dêem um desconto pra Jéssica Alba, sim?!]. Ou seja: um bom entretenimento para tardes de domingo [ou noites de quinta-feira] e eu duvido muito que os produtores tenham pretendido muito mais que isso.

ai, ai…

Sexta-feira, nos cinemas.
[Crianças de férias certamente vão adorar]

Written by juliana alves

junho 26, 2007 at 11:48 am

Publicado em cinema

para tudo!

with 9 comments

Written by juliana alves

junho 21, 2007 at 11:51 am

Publicado em música, notícias

e o ingresso vai para…

with 4 comments

“Vila Mariana, quarta-feira, oito e quinze da noite.
_ Prima, eu acho que eu devia ganhar essa promoção.
_ Ué primo, então deixa aí um comentário.
_ Não prima, eu acho que eu devia ganhar essa promoção sem precisar deixar comentário.
_ Ah não senhor, ai vai ser marmelada. Ainda faltam umas horas pra acabar o tempo, escreve aí um comentário criativo que depois eu vejo.
_ Ah é assim é?
_ É.
_ Então tá. Se tu quer procurar outra pessoa pra dividir apartamento O AZAR É [TODO] SEU QUERIDA!
_ (…)”

Igor da Costa Bento.

[Indiscutível, não é mesmo minha gente?]

Written by juliana alves

junho 21, 2007 at 10:52 am

Publicado em outras cositas mais

quarteto fantástico: pro-mo-çã-ão!

with 8 comments

Afim de ir na pré-estreia do filme novo do Quarteto Fantástico em São Paulo na quinta-feira, dia 21, às 21:30, no Shopping Jardim Sul [ou no Rio , dia 26, no Vivo Rio]? Moleza. Num oferecimento Blogger’s Cut, que dessa vez descolou um ingresso a mais para cada blogueiro sortear entre seus leitores, tudo o que você precisa fazer é participar da promoção que está rolando nos blogs associados ao projeto. Por aqui, basta me convencer a te presentear com um ingresso usando, gentilmente e de forma criativa [olha lá hein?], a frase “azar o seu, querida”. A melhor resposta, que pode ser dada nos comentários ou enviada por email até as 22:00 do dia 20, leva. Mas o [a] vencedor[a] paga a pipoca.
Participe.

poster

Written by juliana alves

junho 17, 2007 at 8:23 pm

Publicado em cinema, outras cositas mais

caso a gente bata a cabeça e perca a memória.

with 5 comments

Te peguei no aeroporto no meio de uma tarde muito azul. Pusemos as cervejas na sua mochila e vimos um belo pôr do sol, conversando sobre peixes, música, anarquia e sobre Jean-Paul Sartre e Simone De Beauvoir. Não existem tantas coisas assim tão bonitas quanto o teu semi-sorriso. Te mostrei o meu lugar preferido e fizemos um jantar/pic nic, onde o prato principal foi o melhor cachorro-quente do mundo. Descemos a rua Augusta. Os corações a 120 por hora. Uma cerveja em cada um dos botecos, até chegar no inferno. O show foi bom. E como dois hippies-punks-rajneeshs atravessamos a rua, porque a noite é uma criança. Não existem tantas coisas assim tão interessantes quanto ver você dançar fazendo cara de malvado. Quando ascenderam as luzes lembrei que o teu café da manhã tinha que ser no centro na cidade, porque gosto de te ver observar. Voltamos pra casa dia claro, feios, sujos e felizes, cruzando com os trabalhadores matinais pelas calçadas. O mundo inteiro acordar e a gente dormir. A partir de agora, eu tomo conta de você.

Nos “casamos” no bar, no fim de uma tarde muito laranja. O “padre” usava tranças e você estava linda de noiva, all star e sorriso. Na nossa festa, os amigos tocaram rock n’ roll a noite toda, e quando as pessoas começaram a dançar em cima da sinuca fugimos com nossos livros e discos pra um sítio com paredes pintadas a dedo e tinta guache. Nos divertimos invadindo casas antigas, dormindo nelas por uma noite como se fossem todas nossas, dançando debaixo da lua cheia ou tomando banho de cachoeira. Fizemos amor, bagunça, arte e diferença, e viajamos de mochila pelo mundo antes de seguirmos juntos os nossos caminhos diferentes. Fomos felizes a nossa maneira, como Jean-Paul Sartre e Simone De Beauvoir. Nunca nos separamos.

“they will see us waving from such great
heights, “come down now,” they’ll say
but everything looks perfect from far away,
“come down now,” but we’ll stay…”

Written by juliana alves

junho 17, 2007 at 3:35 pm

Publicado em download, música, textos